domingo, 26 de fevereiro de 2012

Liberdade - Carlos Marighella






Liberdade



Não ficarei tão só no campo da arte,
e, ânimo firme, sobranceiro e forte,
tudo farei por ti para exaltar-te,
serenamente, alheio à própria sorte.

Para que eu possa um dia contemplar-te
dominadora, em férvido transporte,
direi que és bela e pura em toda parte,
por maior risco em que essa audácia importe.



Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma,
que não exista força humana alguma
que esta paixão embriagadora dome.

E que eu por ti, se torturado for,
possa feliz, indiferente à dor,
morrer sorrindo a murmurar teu nome"


Por Carlos Marighella

São Paulo, Presídio Especial, 1939

Um comentário:

cocoite disse...

Una hermosa poesía para los que amamos a esa elusiva señora: la libertad.

Postagens mais visitadas

Proibicionismo e Ignorância

Um conhecido meu, durante uma conversa sobre "caos na segurança pública do Rio de Janeiro", saiu com essa pérola: -"...