terça-feira, 22 de novembro de 2011

Da série Chacinas no Pará: Seis adolescentes são assassinados pela polícia


Seis adolescentes foram executados no fim da noite de sábado, em Belém (PA). A chacina foi no distrito de Icoaraci, a cerca de 20 km do centro da cidade, a um raio de menos de 200 m de onde as vítimas moravam. Nenhum dos mortos tinha passagem pela polícia.

Quatro deles (de 12, 14, 15 e 17 anos) foram enterrados na manhã desta segunda-feira, em Icoaraci. As outras duas vítimas foram enterradas à tarde: um adolescente de 16 anos foi sepultado no município de Colares, a 90 km de Belém, e outro, de 17 anos, também em Icoaraci.

De acordo com testemunhas, a chacina foi cometida por dois homens a bordo de uma moto, que se identificaram como policiais. Eles enfileiraram os menores na calçada, de joelhos e com as mãos na cabeça, em frente a um órgão público, o Instituto de Assistência e Previdência do Município de Belém (Ipamb). Vizinhos relatam ter ouvido mais de 20 tiros.

Inicialmente após a chacina, policiais levantaram a suspeita de que os adolescentes fossem usuários de drogas e tivessem envolvimento com assaltos, o que faria o caso parecer um acerto de contas entre bandidos, crime corriqueiro em Belém. Entretanto, os parentes das vítimas ficaram revoltados com a hipótese, garantiram que todos são inocentes e levantaram indícios de que os executores teriam sido policiais ou ex-policiais.

"Os caras se apresentaram como polícia, mandaram se ajoelhar com as mãos na cabeça como polícia, usaram pistola, que é arma de polícia, e, no fim, estava passando uma viatura da PM que fez 'corpo mole' e não quis ir atrás dos suspeitos, que fugiram de moto", detalha Maria de Lourdes Barbosa, mãe de um dos adolescentes enterrados na manhã desta segunda-feira.

Pai de duas das vítimas, Carlos Alberto Gonçalves garante que nenhum dos seis adolescentes era problemático, com histórico de delitos ou usuário de drogas. "Estavam no lugar errado, na hora errada", resume.

O delegado que investiga o caso, Gilvandro Furtado, diretor da Divisão de Homicídios, confirmou que os adolescentes mortos não têm passagem pela polícia. Apenas um deles já foi citado em boletim de ocorrência, por conta de lesões corporais. Até a tarde desta segunda-feira, o delegado diz não ter suspeitas de autoria ou da motivação do crime. A desconfiança levantada pelos familiares das vítimas, de que os autores seriam policiais ou ex-policiais, não foi descartada. "Nessas horas, logo após o crime, surge todo tipo de hipótese. Com o tempo, a gente vai passando um filtro e elimina o que não procede, até chegar na verdade sobre o fato", diz Gilvandro Furtado.

Fonte Terra

Fonte: Ag Estado e Terra

Nenhum comentário:

Meu filho

Tenho em minha vida o homem mais doce que existe, meu filho. Quem tem a felicidade de conhecê-lo, sabe disso. Um cara amigo, leal, com ...