HONDURAS E O SILÊNCIO DA SOCIEDADE INTERAMERICANA DE IMPRENSA: OMISSÃO DA ÉTICA


Honduras e os silêncios da Sociedade Interamericana de Imprensa


"Não é por acaso que a página eletrônica da benemérita Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), sempre tão atenta a tudo o que ocorre com os meios de comunicação em Cuba, na Venezuela, na Bolívia e no Equador, tenha ocultado espertamente o que está acontecendo em Honduras."


Tudo apenas ajuda a "desfigurar ainda mais a verdade e inclinar a balança a favor dos golpistas e de seus mandantes".


Essa é a opinião de Atilio A. Boron, politólogo e professor da Universidade de Buenos Aires, na Argentina, em artigo publicado para o jornal Página/12, 26-07-2009. A tradução é de Moisés Sbardelotto.


Eis o texto:

O prolongamento da crise em Honduras não tem um efeito neutro, pois joga a favor dos golpistas. O repúdio e o isolamento universais não comovem os usurpadores. Pelo contrário: confirmam sua visão paranoica de um mundo dominado por comunistas, subversivos e revolucionários que conspiram sem cessar para frustrar sua patriótica empresa.

Tanto os militares como os civis hondurenhos compartilham desse delírio que continua sendo alimentado, dia a dia, pelo Pentágono, pela CIA e por boa parte do establishment político do império, para os quais a guerra não terminou, nem vai terminar jamais. Guerra principalmente contra todo esse imenso e inesperado movimento social que se colocou em marcha a partir do golpe e que ultrapassa amplamente – e talvez irreversivelmente – os estreitos marcos da chamada "democracia representativa", equivocadamente, em Honduras.

Bastou que aquele pretendesse honrar essa fórmula para que a santa aliança abandonasse em massa as cavernas e saísse a dar batalha: ali se juntaram, para unir forças, os representantes militares e políticos do império com a corrupta oligarquia local, a perversa hierarquia da Igreja Católica, as diversas frações de patronato e do poder midiático que esse conglomerado da riqueza e do privilégio controla como quer, fazendo da liberdade de imprensa uma piada sangrenta.

Não é por acaso que a página eletrônica da benemérita Sociedade Interamericana de Imprensa (SIP), sempre tão atenta a tudo o que ocorre com os meios de comunicação em Cuba, na Venezuela, na Bolívia e no Equador, tenha ocultado espertamente o que está acontecendo em Honduras. A resolução mais importante dos meios de comunicação, adotada em 24 de julho, é uma condenação... ao presidente Rafael Correa por incentivar o "incessante clima de confronto e epítetos contra jornalistas, proprietários de meios de comunicação e suas empresas"!

Nem uma palavra sobre Gabriel Fino Noriega, jornalista hondurenho da Rádio Estelar, assassinado por forças paramilitares, como informa a missão da ONU enviada para investigar a situação dos direitos humanos em Honduras. A mesma delegação comprovou que, em Tegucigalpa, o Canal 36, a Rádio TV Maya e a Rádio Globo foram militarizadas, constatando-se também o assalto a vários locais de meios de comunicação e ameaças de morte contra jornalistas, o bloqueio de suas transmissões ou a intercepção telefônica e bloqueio de seu acesso à Internet.

A missão também corroborou que a cabine de transmissão da Rádio Juticalpa, em Olancho, foi metralhada e que houve ameaças de morte contra jornalistas, como o diretor do jornal El Libertador, Johnny J. Enríquez Lagos, bem como contra o jornalista Luís Galdana. Na cidade de Progreso, os militares silenciaram as transmissões da Rádio Progreso, maltratando seu diretor, p padre jesuíta Ismael Moreno, a prisão temporária de um de seus jornalistas, enquanto outros recebiam ameaças morte. Outro caso é o do Canal 26, TV Atlántica, cujo diretor declarou, diante da missão da ONU, que os militares indicaram aos meios de comunicação do departamento que deviam se abster de transmitir outras versões que não viessem do governo de fato.

Diante da agressão sofrida pelos jornalistas da Telesur e Venezolana de Televisión – sem cujo valente trabalho, o mundo jamais teria sabido do que acontecia em Honduras – a SIP se limitou a emitir um morno comunicado lamentando os fatos. A resolução dura, em troca, endereçou contra Correa.

Seria muito longo enumerar todas as violações da liberdade de imprensa e dos direitos humanos, além do assassinato de Noriega, que passaram despercebidos diante dos atentos censores da SIP e seus linguarudos, Mario Vargas Llosa e o bando dos "mais-que-perfeitos idiotas latino-americanos". Seu silêncio cúmplice revela a decomposição moral do império, suas mentiras permanentes e a impunidade com a qual esses falsos defensores da "liberdade de imprensa" se movem. E frente a esse cenário, a secretária de Estado Hillary Clinton se atreve a qualificar como imprudente o gesto de Zelaya de viajar para a fronteira do seu país!!!, enquanto seu porta-voz, Philip Crowley, advertia contra "qualquer ação que possa conduzir à violência em Honduras.

Falta muito pouco para que Washington comece a declarar que o verdadeiro golpista é Zelaya e que foi ele, e não outro, que jogou o seu país em um caos de violência e morte. A promessa de novas mediações a cargo da Casa Branca só vai servir para desfigurar ainda mais a verdade e inclinar a balança a favor dos golpistas e de seus mandantes.


Fonte IHU

Comentários

Fátima Pacheco disse…
Paulo - Infelizmente a grande imprensa tenta aplacar o resultado do golpe. No entanto, todos os jornalistas sérios divulgam o que acontece através de seus blogs, de seus contatos de dentro de Honduras, os estudantes e todos que conseguem, enviam textos, fotos e relatos. Sou jornalista e acompanho através da telesur e outros meios os horrores que estão acontecendo em Honduras. Te convido a visitar meu blog, tenho postado periodicamente assuntos sobre Honduras. Vários jornalistas foram expulsos de Honduras, o exército já matou manifestantes pró Zelaya, um rapaz de 26 anos foi inclusive torturado. Houve greve geral e o povo esta nas ruas.

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

A guerra perdida: 31 vítimas de bala perdida em 31 dias, no Rio de Janeiro.

A França não merece perdão