VILA CRUZEIRO: MAIS CRIANÇAS ENQUADRADAS PARA MORRER.


Vila Cruzeiro: Morte da menina de 11 anos tem inquérito aberto


Rio - A delegada Valéria Castro, substituta da 22ª DP (Penha), determinou a abertura de um inquérito policial para apurar a morte da menina Yorranne Abas Tavares Ferreira, de 11 anos, ocorrida na noite desta quinta-feira, na Vila Cruzeiro, na Penha. Na ocasião, havia uma troca de tiros entre traficantes e soldados do 16º BPM (Olaria) que haviam ido ao local para surpreender bandidos do Comando Vermelho que estavam reunidos em uma casa de dois andares, próximo à Estrada José Roucas, perto de um supermercado.

O carro-blindado do batalhão foi atacado a tiros por um grupo de homens armados e houve intensa troca de tiros. Durante o tiroteio, a menina foi baleada e morreu no Hospital Getúlio Vargas, na Penha. Outras cinco pessoas sairam feridas.

Em Nota Oficial, a OAB/RJ condenou a operação da Polícia Militar. “Não é possível que continuem essas operações sem inteligência e não prendam os criminosos”, afirmou, na Nota, Margarida Pressburger, da Comissão de Direitos Humanos da OAB.

A menina morta é filha do traficante Jorge Ferreira, o Gim, um dos chefes do tráfico da Cidade de Deus, em Jacarepaguá, e que estava participando da reunião. Outros chefões do Comando Vermelho estavam na casa de dois andares, dentre eles Antonio Ferreira de Souza, o Tota, e Alexsander de Jesus Carlos, o Choque.

“Recebemos a informação do Disque-Denúncia às 18h44m, dizendo que traficantes, bem armados, estavam reunidos naquele local e partimos para lá pouco depois das 19h. Mal entramos na Estrada José Roucas e fomos recebidos a tiros. Chovia na ocasião e havia pouca gente na rua. O nosso blindado foi perfurado a tiros. Eles deram muitos tiros”, relatou o tenente-coronel José Vieira de Carvalho Júnior, indicado para assumir o comando do 16º BPM em lugar do coronel Marcus Jardim Gonçalves.

Segundo o oficial, logo depois de iniciado o tiroteio, a tropa da PM que estava na Vila Cruzeiro deixou a comunidade para não haver mais tiros e ferir ou matar inocentes. “Infelizmente, mais tarde soubemos da morte da menina e das outras cinco pessoas feridas”, contou o futuro comandante do 16º BPM.

A delegada Valéria Castro vai ouvir, na próxima segunda-feira, um relato do comandante do 16º BPM para saber a posição exata em que os soldados e o carro-blindado se encontravam e onde estavam os bandidos. “Vai ser muito importante esta informação pois, de acordo com os laudos do IML e da Perícia Criminal, a polícia poderá determinar, com certeza, de onde partiu o disparo”, afirmou a delegada.

A policial disse ainda que irá ouvir a mãe da criança - mulher do traficante Gim - identificar todo o pessoal da PM que participou da operação, para que as armas que eles usavam sejam apreendidas e enviadas para o Instituto de Criminalística Carlos Éboli a fim de que sejam submetidas à exames periciais.

Sobre acusações de que a Polícia Militar teria chegado na Vila Cruzeiro atirando, o tenente-coronel José Vieira de Carvalho Júnior disse que isso não era verdade. “Quando chegamos lá, fomos refcebidos a tiros. Eles atiraram primeiro e nós revidamos”, contou.

O militar mostrou um documento do Disque-Denúncia, recebido pouco depois de 1h da madrugada, onde constava informações de um morador da Vila Cruzeiro que disse estarem os moradores sendo pressionados pelos traficantes para realizarem manifestação acusando a PM de matar a menina.

Ontem de manhã, o clima era de calma na Vila Cruzeiro. Instigados pelos bandidos, moradores queriam ir para a Avenida Nossa Senhora da Penha fazer um ato de protesto, mas foram alertados de que a menina morta era filha de um traficante e que a manifestação poderia ser vista como “coisa de bandidos”. a manifestação acabou não sendo mais realizada. Mas ainda assim, os bandidos colocaram obstáculos naquela rua, que liga a Penha à Vila Cruzeiro, obrigando ônibus e carros a se desviar deles. Horas depois, os obstáculos foram retirados.

O novo comandante do 16º BPM (Olaria), tenente-coronel José Vieira de Carvalho Júnior, vai assumir oficialmente o comando do batalhão na próxima quarta-feira. Na segunda-feira, ele assume interinamente em virtude do coronel Marcus Jardim assumir o comando do 1º Comando de Policiamento de Área. Na quarta, Jardim passa o comando para o tenente-coronel Carvalho, que já vinha exercendo o sub-comando do batalhão.

O coronel Carvalho é um Boina Azul da ONU, tendo integrado uma Força de Paz que atuou no Timor Leste entre 1993 e 1994, juntamente com outros integrantes da Polícia Militar do Rio de Janeiro.

“Quase morri durante um combate entre forças do governo local e os rebeldes. A tropa onde eu estava foi atacada a tiros. Ganhei até uma medalha da ONU”, disse o oficial.

A Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil no Rio condenou hoje (8) a ação policial que resultou na morte da menina Lorraine Tavares Ferreira, de 10 anos, feriu Karina Medeiros Silva, de 8, e Paula Araújo, de 14, enquanto brincavam na Vila Cruzeiro.

A presidente da comissão, Margarida Pressburger, disse que a OAB “exige a apuração rigorosa” da conduta dos policiais do 16º Batalhão que, segundo moradores, entraram na favela atirando pouco depois das 21h de quinta-feira, quando pessoas ainda retornavam do trabalho e havia crianças nas ruas. “Não é possível que continuem essas operações sem inteligência, que matam inocentes e não prendem criminosos”, afirmou, indignada, Margarida Pressburger.

A Comissão oficiará ao comando do batalhão pedindo explicações sobre a operação e oferecerá orientação jurídica às famílias das vítimas. A técnica de enfermagem Teresa Cristina de Amorim Santiago, do Hospital Getúlio Vargas, também foi atingida nos braços e no peito por disparos, e um rapaz, Wallace Oliveira, por um tiro na perna – segundo informações divulgadas hoje. A política de confronto adotada pela polícia já deixou mais 60 mortos na área do Complexo do Alemão, muitos sem qualquer ligação com criminosos.



Fonte.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

A guerra perdida: 31 vítimas de bala perdida em 31 dias, no Rio de Janeiro.

A França não merece perdão