domingo, 23 de março de 2008

DE MERCADO NEGREIRO A CENTRO BOÊMIO



Rio - O chope gelado depois do trabalho nos bares do Arco do Teles, a volta para casa nas barcas da Praça 15 e o turismo nas igrejas do Carmo e no Paço Imperial. As opções de lazer atraem cada vez mais pessoas ao Centro do Rio. A boemia, no entanto, esconde um passado sombrio da história brasileira.


Meio século antes da chegada de Dom João ao Brasil, o principal chamariz da Praça 15 era o efervescente mercado negreiro. A região abrigava o comércio de escravos trazidos da África em condições desumanas e insalubres. Negros eram desembarcados e amontoados no trapiche da alfândega à espera de compradores na Rua Direita, atual Primeiro de Março.


Em 1760, o marquês do Lavradio, então vice-rei, horrorizou-se com o espetáculo na cidade que seria a capital do império e determinou a transferência do mercado de escravos para o Valongo. A região era ocupada por chácaras e hortas. Mais tarde daria origem aos bairros da Gamboa, Saúde e Santo Cristo. A mudança estimulou uma série de atividades, como a criação de armazéns, trapiches e manufaturas. As chácaras foram loteadas, os pântanos, aterrados, e abertas diversas ruas, na área onde se instalaria a futura Zona Portuária do Rio.



Com a chegada da Família Real em 1808 e a abertura dos portos no mesmo ano, o comércio ganhou força. O tráfico negreiro que abastecia as minas de ouro em Minas Gerais continuou a pleno vapor. Para o historiador e professor da Universidade Federal Fluminense (UFF) Nireu Cavalcante, apesar das melhorias introduzidas com a chegada da nobreza, Dom João manteve o comércio de escravos. “O comércio era indigno da Corte. Dom João teve uma grande dívida com os negros deste país. Ele deveria ter acabado com o mercado negreiro no Brasil, como fez em Portugal, e não ter esperado 100 anos para pôr fim à escravidão”, critica o pesquisador.



Durante o século 18, 750 mil escravos entraram no Rio. Os negros vindos da África eram recuperados da longa viagem e engordados para a venda. Segundo Cavalcanti, a mudança do comércio negreiro para o Valongo transformou a região de moradias de pescadores numa área comercial que abrigaria o futuro Porto do Rio, próximo à Praça Mauá. Foi naquela região que se formaram as primeiras rodas de samba e capoeira do Rio. A água do mar batia bem próximo de onde foi construída a Cidade do Samba. Negros libertos sem dinheiro foram morar no Morro da Providência, a primeira favela do Rio.




Na Gamboa, cemitério descoberto por acaso


Escravos que não resistiam à travessia nos navios negreiros e morriam antes de serem comercializados eram enterrados no Cemitério dos Pretos Novos, na Gamboa. Hoje, o local, na Rua Pedro Ernesto 36, abriga um sítio arqueológico, descoberto em 1996, durante as escavações no terreno de uma casa contruída no início do século 18. Os proprietários, Merced e Petruccio, descobriram durante uma reforma pedaços de crânios e ossos humanos, que permitiram identificar 28 corpos, em sua maioria de jovens do sexo masculino, com idades entre 18 e 25 anos.



Os cadáveres, geralmente nus, eram carregados por dois negros e lançados em lugares sem covas e sem caixões. Ficavam cobertos por um pouco de terra e quase expostos. A área onde era localizada a Igreja de Santa Rita era usada para sepultamento de escravos até a transferência do mercado negreiro para o Valongo, em 1769.



De tão numerosos, os enterros eram feitos uma vez por semana, causando mau cheiro insuportável. De tempos em tempos, a ‘montanha’ de cadáveres em decomposição era queimada. Para quem quiser saber mais sobre esta história, a Galeria de Artes dos Pretos Novos está aberta à visitação. O agendamento é pelo telefone (21) 2516-7089.

Por Maria Luisa Barros

Fonte: O Dia

Nenhum comentário:

Meu filho

Tenho em minha vida o homem mais doce que existe, meu filho. Quem tem a felicidade de conhecê-lo, sabe disso. Um cara amigo, leal, com ...