A diferença da UPP e a política (burra) do enfrentamento: 7 mortos até agora


Sobe para sete número de mortos durante confronto na Rocinha

Rio, 11 de março de 2010 - Dois helicópteros da Polícia Civil fazem voos rasantes na favela da Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio, na tarde desta quinta-feira. Tiros foram ouvidos e, de acordo com informaçõe preliminares, sete traficantes foram mortos em confronto com a polícia.

Um dos bandidos mortos seriam José Carlos de Oliveira, o Cabeção. Outros dois foram identificados como Aranha e Fiel da 30 - este último ganhou o apelido por ser fiel a Nem e por portar uma metralhadora calibre .30mm.

Um suposto bandido foi preso, uma menina foi atingida por estilhaços de bala no braço e uma quantidade ainda não contabilizada de armas foi apreendida.

O objetivo da ação era capturar o traficante Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, além de armas e drogas. A ação, que teve início às 13h, foi coordenada pela Polinter, com o apoio de outras delegacias especializadas - cerca de 60 homens ocuparam a comunidade.

As obras do PAC chegaram a ser interrompidas na favela. De acordo com um funcionário, todos os operários foram obrigados a descer com os pertences nas mãos, fora de bolsas ou mochilas.

Obras do PAC estão paralisadas por causa de operação da Polícia Civil. Operação na região conta com apoio de helicópteros.

A polícia informou que o número de mortos durante a operação na Rocinha, em São Conrado, na Zona Sul do Rio, subiu para sete.

As obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) estão paralisadas desde o início da operação na comunidade.

Ainda não há informações sobre apreensões realizadas. De acordo com testemunhas, helicópteros da Polícia Civil sobrevoam o local.

De acordo com a polícia, agentes do Departamento Geral de Polícia Especializada (DGPE) estão no local desde a manhã desta quinta-feira (11).

O trânsito está lento na Auto Estrada Lagoa Barra, e na Avenida Niemeyer, ambos no sentido Zona Sul.

Criança ferida

De acordo com a Secretaria municipal de Saúde, uma criança deu entrada no Hospital Miguel Couto, no Leblon, também na Zona Sul, ferida por estilhaços. No entanto, a secretaria não confirma se a criança foi atingida na Rocinha, durante a operação.



Fontes: O Dia, G1, no Rio, com informações da TV Globo Foto: Gustavo Poli/Globoesporte.com)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

A guerra perdida: 31 vítimas de bala perdida em 31 dias, no Rio de Janeiro.

A França não merece perdão