DE CONTOS E CANTOS





DE CONTOS E CANTOS






por Paulo David





Hoje eu queria contar um conto bonito.
Um conto que falasse em geleiras imensas de imensas montanhas
e em flores que dançam ao vento

Um conto com cheiro de verde, de chuva e de primavera,
e além de tudo,
que transmitisse muita esperança aos desesperançados
e muita ternura aos carentes.

Queria contar um conto assim: de mãos que se encontram,
de braços em abraços, de sorrisos francos,
e cirandar de crianças em mundos de ingenuidade.

Queria contar um conto sem guerras,
sem ódios acumulados, nem ambição crescente;
que fosse livre de injustiças,
de desamor e descrenças,
sem contudo fugir da realidade.

Queria contar um conto que falasse em lagos azuis
e nos céus do oriente...
e que descrevesse uma viagem ao fundo do mar.

Teria que ter a leveza de nuvens
e a pureza de um conto de fadas,
sem perder no entanto o valor da verdade.

Que fosse esse conto: um recanto de paz;
que tivesse o calor de voz que acalanta
em murmúrio calmo
e cancionar de silêncios siderais.

Que jamais comprometesse a risada cristalina
dos que não têm porque chorar.

Que começasse em festa e terminasse em sonhos.

Que falasse na humildade e no valor da solidariedade humana.

Que ternurasse a alma como a chuva vivifica os campos.

Que transmitisse vida...

Qeria contar um conto que fosse um canto... de amor.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

A guerra perdida: 31 vítimas de bala perdida em 31 dias, no Rio de Janeiro.

A França não merece perdão