VERGONHA NA CARA


VERGONHA NA CARA




por Paulo da Vida Athos




Se os diretores de 'Cidade de Deus' conseguiriam rodar o filme nas favelas sem a autorização do tráfico? Certamente que sim. Nem seria o primeiro filme a ser rodado sem "autorização" do tráfico.

Temos entre outros muitos, o "BOCA DE OURO" filmado na comunidade Santa Marta, em Botafogo, sob as vistas da Prefeitura do Rio de Janeiro, na Rua São Clemente, em Botafogo, e bem em frente ao 2.º BPMERJ. Que crime cometeram os cineastas? Nenhum!

Apenas colocaram à vista da sociedade as vísceras do submundo da subvida (ou dos guetos) em que é obrigada a viver a população favelizada, com um pormenor: a falta de indignação social.

Não mais nos indignamos com as mortes através das chamadas "balas perdidas", não mais nos indignamos quando deparamos nas telas de nossas "TVidas" com as gritantes marcas de tortura nos rostos e no corpo dos que "confessaram" seus crimes.

Não mais nos indignamos com aqueles: crianças ou velhos, bandidos ou trabalhadores, que são assassinados ou feridos pelas "balas perdidas" ou pelos tiros efetuados pelas costas (evidência número um de um assassinato) nas chamadas "trocas de tiros" entre traficantes e policiais.

Falta governo é pudor. Além de estar sobrando cinismo social em forma de omissão.

Falta uma Justiça e uma Imprensa isentas e garantidoras (do direito e da denúncia) dos primados Constitucionais.

Falta um Governo digno de ser chamado de Governo e de políticos dignos de serem chamados como tal.

Falta uma polícia confiável.

E, quando alguém acerta a mosca que esvoaça sobre o estrume: gritam logo: "- Joga bosta na Geni!!!" Ou, simplesmente, chamam de ...cineastas.

Falta indignação social. Por todos os tims, joaquins e zégoelas, vítimas de nossos desgovernos e de nossa incapacidade de indignação.

Mas, acima de tudo: falta é vergonha na cara.

(Em 12/09/2006)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Oração para Oxossi

A guerra perdida: 31 vítimas de bala perdida em 31 dias, no Rio de Janeiro.

A França não merece perdão