sexta-feira, 5 de janeiro de 2007

MEU CARTÃO DE NATAL...

Não sei muito bem
encontrar cartões,
desses lindos que muitos já enviaram,
para retribuir.

Não sei desenhar ou pintar.
Sei amar e viver,
e ser grato à vida e a você,
que não se esqueceram de mim...

No entanto pegarei um céu azul,
bonito, com nuvens no horizonte
Já avermelhadas pelo sol poente.

Colocarei sob o céu,
as nuvens e o sol,
um vale, e nele um lago azul
onde esse mesmo céu se espelha e se embriaga
observando o esplendor de si próprio,
de sua própria beleza indizível.

Agora planto uma floresta
esverdeando tudo,
e montanhas ao longe também virgens,
em seu verdor de mata ainda intocada
pelo homem.

Só pelo vento.

Coloco pássaros cortando a vermelhidão do ocaso
e um perfume de flores conduzido pela brisa
que, por gosto ou acaso
atravessa a floresta e impregnando o ar.

O canto das aves
e todos os sons das matas
fazem a sinfonia nesse quadro
e, num solo, ao longe
a orquestra se completa com a queda
das águas da cachoeira distante
onde se acende um arco-íris!

Pronto.

Está feito seu cartão de Natal!

Coloque-se nele...

E que papai Noel,
o do Céu
aquele no qual você crê,
traga para todos nós de presente:
Um ano-novo, assim!

Nenhum comentário:

Postagens mais visitadas

Proibicionismo e Ignorância

Um conhecido meu, durante uma conversa sobre "caos na segurança pública do Rio de Janeiro", saiu com essa pérola: -"...