quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

Chile à direita: alerta no continente



Breno Altman*


Os resultados da eleição presidencial chilena, com a vitória do direitista Sebastián Piñera, repercutem além-fronteira. O triunfo da coalizão neopinochetista também pode ser lido como a primeira vitória relevante das forças conservadores latino-americanas nos últimos dez anos. Ainda que esse campo, no ano passado, tenha vencido batalhas no Panamá e em Honduras, nenhum desses episódios tem o mesmo significado que a conquista do governo na terra de Allende e Neruda.

Essa importância não é ditada pela natureza da aliança política que saiu derrotada, cujos vínculos com o ciclo político favorável à esquerda, aberto pelas vitórias de Chávez e Lula, são praticamente nulos. Afinal, a Concertação nunca passou de aglomerado partidário sob hegemonia do centro católico, submetida a um processo de transição incapaz de promover mudanças fundamentais no modelo econômico e institucional herdado de Pinochet.

Além do peso estratégico do Chile, o que há de emblemático nessa situação é o caráter da coligação triunfante, ironicamente chamada de Coalizão pela Mudança. Pela primeira vez retornam ao poder forças políticas que deram sustentação direta às ditaduras militares da América do Sul. Não é pouca coisa, definitivamente.

Tampouco trata-se de fato isolado. Se analisarmos a cadeia de acontecimentos que marcou o ano passado, encontraremos pistas evidentes de uma contra-ofensiva da direita latino-americana, em diversas ocasiões com o patrocínio ou a cumplicidade do Departamento de Estado norte-americano. São eventos representativos desse cenário a reativação da IV Frota, a instalação de bases militares na Colômbia, o golpe cívico-militar em Honduras, a vitória conservadora no Panamá e, agora, a guinada à direita no Chile.

A esses capítulos já consolidados, outros parecem estar em curso, como a escalada das iniciativas reacionárias para inviabilizar o governo Lugo, no Paraguai, e a administração de Cristina Kischner, na Argentina. Para não falar na incessante política de sabotagem e desestabilização da oposição venezuelana contra o governo Chávez, sob o amparo da Casa Branca.

O que ocorreu no Chile serve, sem dúvida, como estímulo às oligarquias continentais. Basta observamos a reação fogosa dos jornalões brasileiros, que vibram diante da possilidade de se derrotar um candidato governista mesmo no caso de ampla aprovação popular à administração que se deseja continuar. Quanto às correntes progressistas, cabe uma reflexão cuidadosa sobre a caída da Concertação.

O foco dessa análise necessária talvez devesse ser a relação entre hegemonia e aliança. Não foram poucos os momentos nos quais a busca pela direção do processo político, a partir dos programas e valores de esquerda, excluiu ou limitou a construção de alianças capazes de formar maiorias político-sociais, assim descambando para o sectarismo e o isolamento.

Mas os casos inversos não têm sido raros nos últimos tempos. Esses ocorrem quando o objetivo de ampliar ou consolidar alianças, em função de um determinado objetivo tático, esteriliza a busca de hegemonia no Estado e na sociedade, forçando à renúncia programática e de identidade.

Nessa última categoria poderia ser classificada a Concertação, fundada a partir da ruptura do Partido Socialista com o bloco histórico de esquerda e sua subordinação a Democracia Cristã, partido de centro ao qual pertence o candidato derrotado Eduardo Frei.

Mais que uma submissão partidária, eventualmente atenuada quando a presidência coube a Ricardo Lagos e Michelle Bachelet, ambos socialistas, o que se passou foi uma abdicação político-ideológica que já data de vinte anos. Para se fazer a composição com o centro católico, aceitou-se por uma década a tutela militar sobre a transição, manteve-se vigente a Constituição ditatorial de 1980 e preservou-se a política econômica do pinochetismo.

No fundo, foi um longo período de reformas sem mudanças. O sistema foi recauchutado com medidas de ampliação das liberdades e compensação das injustiças, mas teve preservada sua institucionalidade, sua integração à geopolítica norte-americana e seu modelo rentista.

A conseqüência dessa opção foi uma forte despolitização da sociedade chilena. O campo de disputa estratégica e de valores com a direita praticamente se reduziu ao tema dos direitos humanos. Aos poucos, as únicas coligações aceitas pelo sistema institucional, a Concertação e a direita, se aproximaram programaticamente e criaram uma anódina zona de confluência.

Trocou-se o choque de programas pela concorrência entre projetos e sua forma de administração, em um teatro de conflito cada vez mais desidratado. Esse mesmice tecnocrática acabou por provocar desmobilização e divisão no campo da Concertação, preparando o terreno para o retorno das forças de direita.

Três milhões de jovens sequer se inscreveram para votar. O deputado Marco Enriquez-Ominami, disposto a arregimentar apoio entre os setores cansados desse bipartidarismo cinzento, rompeu com a Concertação e teve quase tantos votos quanto Frei. Outros grupos socialistas também dissentiram em tempos recentes, buscando recuperar a tradicional aliança com os comunistas e outros agrupamentos de esquerda.

A administração de Michelle Bachelet, ainda assim, veio a apresentar elevados índices de aprovação popular, especialmente por conta das políticas sociais. Mas seu candidato, Eduardo Frei, representava a imagem do político atrasado, covarde, sem criatividade. Seu adversário, empresário jovial e bem-sucedido, foi capaz de vender uma imagem de gestor mais aguerrido e confiável. Em um ambiente despolitizado, no qual as ações de governo são sucessos administrativos que não se transformam em ferramentas de hegemonia, a transferência de votos acabou esvaziada pela lógica do processo impulsionado por socialistas e democrata-cristãos.

Claro que o fracasso no governo, refletido pela incapacidade de melhorar a vida das pessoas, não pode ser substituído pela batalha das idéias, pela disputa político-ideológica, pela disseminação de valores ou pela pedagogia de massas . A administração bem-avaliada, porém, quando a luta pela hegemonia é propositadamente esterilizada, com o abandono no enfrentamento entre distintos programas e compromissos de classe, revela-se insuficiente para uma estratégia eleitoral vitoriosa.

A Concertação perdeu porque foi a artífice de uma certa normalização do país, pela qual antigos campos antagônicos, em nome de acanhado pacto de transição, aceitaram um termo comum para seus projetos, individualizando a política e configurando-a em um arena quase técnica, na qual as classes e seus interesses desaparecem do discurso público.

A esquerda chilena pagou um alto preço por essa opção, danificando suas relações internas e seu protagonismo. A direita teve a paciência necessária para fazer da normalidade concertacionista seu caminho de ressurreição, absorvendo parte da agenda oficialista e conquistando para seu candidato até votos de quem apóia a administração Bachelet.

Enfim, essas são algumas das reflexões possíveis sobre a derrota de Frei. Aliás, para deixar de orelha em pé também a progressistas de outras nacionalidades.

*Breno Altman é jornalista e diretor do site Opera Mundi

Um comentário:

Paulo Renato disse...

Acho que não se pode admitir a prática de crimes no Brasil. Todos são iguais perante a lei, é o que estabelece o artigo 5º, caput da CRFB/88, assim sendo, tantos os que torturaram, como os que mataram, roubaram bancos, sequestraram pessoas, devem ser punidos. Não há motivo para alguns brasileiros que praticaram esses atos estarem no presídio, enquanto outros, com a mesma conduta ocuparem cargos na administração pública.
O único problema que vislumbro é o art. 5º XL da CRFB/88, que veda a retroatividade da Lei Penal,para prejudicar, sendo certo, tratar-se de cláusula pétrea, como qualquer pessoa com o mínimo de conhecimento jurídico, deveria saber.

Meu filho

Tenho em minha vida o homem mais doce que existe, meu filho. Quem tem a felicidade de conhecê-lo, sabe disso. Um cara amigo, leal, com ...