sexta-feira, 13 de junho de 2008

DEU NO NEW YORK TIMES: MILÍCIAS NOVOS REIS DO RIO


Milícias substituem traficantes como reis do crime no Rio, diz 'NYT'

As milícias que expulsam traficantes e assumem o controle das favelas são uma nova ameaça violenta no Rio de Janeiro, segundo reportagem publicada nesta sexta-feira pelo jornal americano New York Times, intitulada "Milícias substituem gangues como reis do crime no Rio".

A reportagem cita o caso da jornalista, do fotógrafo e do motorista do jornal carioca O Dia seqüestrados e torturados por membros da milícia que controla a favela do Batan, quando realizavam uma reportagem sobre mercados paralelos ilegais nas favelas.

Os jornalistas alugaram uma casa no local, onde pretendiam passar um mês investigando esses mercados e sua relação com os moradores da comunidade.

"O Brasil é um país que passa por um boom econômico que está tirando milhões de pessoas da pobreza. Mas no Rio, o incidente, que veio à tona em uma série de artigos publicados pelo jornal O Dia, se tornou um proeminente sinal das pressões nesta cidade, contaminada pela violência e por uma força policial notoriamente corrupta", diz o NYT.

O jornal afirma que apesar do crescimento econômico, as favelas continuam se proliferando no Rio, e com elas as milícias, já que a polícia está ocupada combatendo traficantes. Segundo o NYT, os baixos salários acabam levando policiais, bombeiros e funcionários de prisões a formar essas milícias, enquanto mantêm seu trabalho regular.

"As milícias preencheram um vácuo de autoridade prometendo aos moradores segurança em troca de pagamentos. Ao mesmo tempo, eles tomam para si uma série de empresas ilegais: o controle do suprimento de água e gás natural, de máquinas de apostas, a divisão de conexões de TV a cabo e, em muitos casos, a venda de drogas."

Mas o jornal afirma que, para muitas das comunidades, as milícias são o mal menor, e cita o chefe do Draco (Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas, que combate o crime organizado no Rio), Cláudio Ferraz, para quem as milícias ganham a simpatia das comunidades por expulsar os traficantes.

"As milícias, estimadas entre 60 e 100, têm conexões poderosas e freqüentemente estão ligadas não apenas à força policial da cidade, mas também a políticos que oferecem um porto seguro em troca da garantia de votos ou dinheiro dos moradores", afirma a reportagem, citando os casos do vereador Jerônimo Guimarães Filho, preso em dezembro acusado de formação de milícia, e do deputado e ex-chefe de polícia do Rio Álvaro Lins, acusado de ajudar na formação de grupos armados.

A polícia tem medo de agir contra as milícias por causa das violentas represálias, diz o jornal, e mesmo os jornalistas seqüestrados e torturados mantiveram seu nome em sigilo, numa tentativa de evitar atos de vingança.

O jornal descreve a tortura sofrida pelos jornalistas e comenta que um dos suspeitos já identificados foi preso, mas outro conseguiu fugir.

"Durante uma visita na semana passada, tudo estava quieto em Batan, mas os nervos ainda estavam em frangalhos. Uma forte presença policial era visível por toda a favela, com patrulhas circulando de poucos em poucos minutos. Os moradores disseram não acreditar que isso duraria muito."

"Enquanto alguns moradores lamentavam o que ocorreu com os jornalistas, a maioria disse que se sente mais seguro com a milícia. Poucos, no entanto, revelaram seus nomes quando discutiram o assunto, dizendo temer retaliação", afirma a reportagem.

Uma moradora disse que as coisas haviam melhorado desde a chegada da milícia na comunidade e outro afirmou que, com a milícia desmantelada, ele temia que, quando a polícia deixasse o local, gangues de traficantes voltariam a invadir a favela, reiniciando o ciclo de violência.

"Vai ser um inferno. Agora estamos nas mãos de Deus", disse o morador ao NYT.



Fonte BBC

Nenhum comentário:

Meu filho

Tenho em minha vida o homem mais doce que existe, meu filho. Quem tem a felicidade de conhecê-lo, sabe disso. Um cara amigo, leal, com ...